sábado, 12 de dezembro de 2009

Sente o que tiveres de sentir

"Tudo conflui repentinamente - o facto de os meus dedos serem apenas ossos e a minha pele ser praticamente translúcida. Dentro do meu pulmão esquerdo, sinto as células a multiplicarem-se, a aglomerarem-se, como cinza a encher lentamente um vaso.Em breve deixarei de respirar.
- É normal sentires medo - disse Zoey.
- Não, não é.
- Claro que é. Sente o que tiveres que sentir.
- Imagina, Zoey... estar constantemente aterrorrizada.
- Posso imaginar.
Mas não pode. Como seria possível, quando tem toda a vida à sua frente? Escondo-me de novo sob o chapéu, apenas por algum tempo, porque vou sentir falta de respirar. E de falar. E de janelas. Vou sentir a falta de bolos. E de peixe. Gosto de peixes. Gosto de ver as suas boquinhas em movimento, a abrir, a fechar, a abrir."

Jenny Downham In Antes de eu Morrer

1 comentário:

Joana disse...

Pois... Sente o que tiveres de sentir... é mesmo isso! :)

Beijinhos